Internet das coisas – uma ameaça ou uma benção?

Na atual era de ouro da internet, muitas vezes ouvimos que o mundo é uma aldeia global principalmente porque você pode fazer qualquer coisa pela internet – acender as luzes, estacionar o carro remotamente, monitorar sua saúde, etc. Essa interconexão cria a internet das coisas (IoT), que promete maior eficiência e produtividade e um cotidiano mais conveniente, sustentável e econômico.

Apesar dos inúmeros benefícios e potencial excitante da tecnologia IoT também acarretam alguns riscos. Mas antes de discutirmos se a internet das coisas é uma ameaça ou uma benção, vamos primeiro descobrir o que é.

O que é a internet das coisas

Internet das coisas refere-se a todos os dispositivos habilitados para rede, exceto notebooks tradicionais, computadores desktop e servidores. É o conceito de conectar dispositivos à Internet e colocá-los em rede com outros dispositivos pela Internet, Bluetooth ou comunicação de frequência próxima.

No sentido mais amplo, a IoT é sobre redes, dispositivos e dados – ela permite que dispositivos em rede “se comuniquem”. Ele garante que os objetos físicos estejam interconectados no mundo virtual e funcionem de forma autônoma.

Exemplos de internet das coisas

Pense no Amazon Echo; ele pode realizar pesquisas na Internet, tocar música, operar sua TV, máquina de lavar roupa, lava-louças, termostato, iluminação e aspirador. Neste caso, todos os seus aparelhos estão conectados ao Echo; este é um dos melhores exemplos de internet das coisas.

A IoT combina dispositivos individuais, bancos de dados e gateways em várias redes. Eles são conectados à internet, geralmente com uma interface sem fio que envia dados e recebe comandos.

Então, o que a internet das coisas (IoT) permite? Eles não se limitam apenas a eletrônicos de consumo – sua aplicação é praticamente ilimitada.

Tipos de internet das coisas

No sentido mais amplo, a Internet das Coisas pode ser categorizada como Internet das Coisas do Consumidor (CIoT) ou Internet das Coisas Industrial (IIoT).

Internet das coisas do Consumidor

O “Consumer IoT” refere-se aos dispositivos da Internet das Coisas especificamente para ambientes pessoais e domésticos. A CIoT está associada a itens domésticos do dia a dia que se conectam à Internet.

Quase todos os eletrônicos de consumo são dispositivos de internet das coisas. Eles variam de dispositivos wearables (vestuário) como smartwatches (relógios inteligentes) a sistemas de segurança, termostatos, webcams, geladeiras, luzes com sensor de movimento, casas inteligentes, aspiradores de pó e assistentes digitais como Amazon Echo e Google Home. A CIoT também pode incluir IoT comercial projetada para locais maiores, como shoppings, locais de entretenimento, hotéis, serviços de transporte e instalações de saúde.

Internet das coisas industrial

A internet das coisas industrial se concentra na manufatura, produção e agricultura. Tal como acontece com os dispositivos domésticos, o objetivo é conectar dispositivos e processos de trabalho em rede, tornando-os mais acessíveis e eficientes.

Máquinas e sistemas são equipados com sensores e conectados à internet por meio de servidores no local ou na nuvem. A IIoT foi projetada para monitorar e analisar dados em tempo real, realizar manutenção preditiva, identificar e eliminar fluxos de trabalho e redundâncias ineficientes, gerenciar funcionários e evitar paralisações dispendiosas da planta.

A ameaça da internet das coisas

As maiores ameaças representadas pela Internet das Coisas incluem violações de privacidade e segurança.

Violação de privacidade

Ao usar dispositivos IoT, os usuários precisam lidar com o fato de que estão abrindo mão de algum aspecto de sua privacidade. É do conhecimento geral que os dispositivos de internet das coisas têm microfones e sensores embutidos que rastreiam todos os tipos de dados – na verdade, isso é usado como um ponto de venda. Isso traz a questão da vigilância ilegal.

Eles têm acesso irrestrito a dados pessoais confidenciais, incluindo dados precisos de geolocalização, informações financeiras e registros de saúde. E assistentes virtuais como Alexa estão sempre ouvindo, e você nunca sabe quem pode estar espionando. O mais preocupante é que todos esses dados são transmitidos a terceiros, muitas vezes sem o consentimento dos usuários, como foi o caso das campainhas da Ring doorbells.

Com esses dados, qualquer pessoa pode dizer onde você está e o que está fazendo. O que é pior, os dados históricos podem ser usados ​​para prever seus hábitos e saúde física e financeira. Pense na possibilidade de abuso.

É certo que essa vigilância é preferível na IoT industrial e comercial, pois aumenta a produtividade e aumenta a segurança, mas é absolutamente intrusiva na vida pessoal.

Violação de segurança IoT

A verdade incômoda é que, quando esses dispositivos estão conectados, um ataque a qualquer um deles abre uma porta dos fundos para todos eles. Isso significa que uma vulnerabilidade de segurança em um dispositivo pode facilitar ataques em toda a rede e em todos os dispositivos conectados. Foi o caso do Mirai botnet, que quase acabou com a internet.

Um estudo realizado pela Zscaler descobriu que os dispositivos IoT são vulneráveis ​​a ataques cibernéticos. Quando os hackers obtêm acesso a um dispositivo IoT, eles podem alterar facilmente sua funcionalidade, coletar dados pessoais e lançar outros ataques em toda a rede IoT.

As violações de segurança também podem ser uma questão de vida ou morte. Normalmente, dispositivos médicos especializados em IoT, como monitores de pressão arterial, monitores de frequência cardíaca, bombas de insulina, cadeiras de rodas, desfibriladores e bombas de oxigênio, agora estão todos conectados com frequência.

Agora, imagine um cenário em que um hacker ganha o controle de uma IoT médica e administra uma overdose. Isso levou a FDA a emitir orientações de segurança cibernética sobre dispositivos médicos de IoT, como marca-passos e bombas de insulina, que são vulneráveis ​​a hacks.

Conclusão

Não é preciso dizer que a internet das coisas é um dos principais catalisadores da quinta revolução industrial. Mas a questão permanece, a internet das coisas é uma ameaça ou uma bênção? Bem, isso depende da sua perspectiva. Tal como acontece com qualquer nova tecnologia, existem enormes vantagens e riscos potenciais.

Numa visão geral e macro, podemos considerar a IoT como uma ameaça e uma bênção. A interconectividade, simplificação de tarefas, maior eficiência e produtividade, custos operacionais mais baixos e eliminação de redundâncias são uma bênção. No entanto, as violações de segurança potencialmente letais e a preocupação gritante com a privacidade são ameaças diretas da Internet das Coisas.

Compartilhar
Copiar link
Link copied
ARTIGOS RELACIONADOS
5 min
O que é o Metaverso e como ele pode impactar o mundo
2 min
Inteligência Artificial diminui engarrafamentos na Malásia
6 min
O que é blockchain?
5 min
O que irá acontecer quando todos os bitcoins forem minerados?
5 min
Os 10 gadgets mais inúteis
7 min
Por que o Bitcoin apareceu em 2009, mas só decolou em 2017