Teoria da escolha racional: origem, explicação e exemplos

A teoria da escolha racional é uma estrutura para entender e, muitas vezes, modelar formalmente o comportamento social e econômico. Neste artigo, vamos explicar o que é, destacar as principais vantagens e desvantagens da teoria e dar exemplos de sua aplicação.

O que é a teoria da escolha racional?

A teoria da escolha racional é um conceito que diz que os indivíduos utilizam cálculos racionais para alcançar resultados consistentes com seus objetivos pessoais. Estes resultados estão ligados à maximização dos interesses próprios do indivíduo. As pessoas utilizam uma abordagem racional porque esperam benefícios que as beneficiariam e querem a satisfação de utilizar a opção limitada disponível para elas.

Como dominar a negociação de divergência – o guia completo

A teoria da escolha racional é frequentemente comparada aos conceitos de mão invisível, atores racionais e interesse próprio. Os economistas frequentemente argumentam que os fatores relacionados à teoria são bons para a economia mundial como um todo.

Entendendo a teoria da escolha racional

A compreensão desta teoria não é nada difícil. Nós a usamos diariamente quando tomamos decisões, mesmo que não estejamos cientes.

A base da teoria da escolha racional é a probabilidade de envolvimento de atores racionais. Eles são indivíduos que fazem escolhas racionais na economia depois de acessar e interpretar as informações que possuem. Os atores racionais criam a base da teoria da escolha racional. Há uma suposição que diz que os atores racionais sempre tentam maximizar seus benefícios e minimizar as perdas em qualquer situação.

Os economistas utilizam esta suposição para desenvolver modelos e prever como as pessoas se comportam em determinadas situações. Ela faz parte de estudos mais amplos e as ajuda a compreender a natureza da racionalidade na sociedade.

O interesse próprio e a mão invisível

Adam Smith, um dos primeiros economistas a desenvolver os axiomas fundacionais da teoria da escolha racional, lançou a ideia de que as pessoas são guiadas por uma mão invisível.

Ele destacou seus estudos de interesse próprio e a teoria da mão invisível em seu livro, “An Inquiry Into The Nature and Causes of the Wealth of Nations”, publicado em 1776.

Como negociar com perdas mínimas: 7 regras de ouro

A mão invisível é a força invisível que impele os indivíduos a agir no seu próprio interesse. Por exemplo, ela motiva as pessoas a trabalhar duro, economizar dinheiro e investir em áreas que irão melhorar suas vidas e influenciar uma economia de livre mercado.

Smith acreditava que este comportamento de interesse próprio beneficiava, em última análise, a sociedade como um todo. Quando as pessoas são deixadas à sua própria sorte e autorizadas a perseguir seus próprios interesses, elas naturalmente gravitarão em direção àquelas atividades que melhorarão suas vidas e as vidas das pessoas ao seu redor.

Outros desenvolvimentos na teoria da escolha racional também negam os equívocos negativos relacionados ao interesse próprio. De acordo com a teoria, os atores racionais que agem em seus interesses e racionalidade tomam decisões que mais tarde provam ser benéficas para toda a economia.

Os economistas que favorecem a teoria da mão invisível defendem menos intervenção governamental e mais oportunidades de intercâmbio de livre mercado. Eles acreditam que a liberdade de produção e consumo permite que a economia floresça eficientemente. E isto só é possível quando cada indivíduo está agindo por seu próprio interesse. A constante interação da pressão individual da oferta e demanda do mercado faz com que os preços fluam mais naturalmente e torna o fluxo comercial mais suave.

7 mitos na negociação que você provavelmente acha que são verdadeiros
É hora de quebrar mitos sobre o trading! Alguns deles estão tão próximos da verdade que você nunca imaginaria que são apenas equívocos populares.
Ler mais

Teoria da escolha racional vs. Economia comportamental

As melhores estratégias de média móvel

Muitos economistas lutam pela precisão da teoria da escolha racional e a teoria da mão invisível. Aqueles que discordam apontam que os indivíduos nem sempre vão em direção a uma tomada de decisão racional que maximize a utilidade. Foi assim que nasceu a economia comportamental.

Esta ciência se desenvolveu para estudar o que acontece quando as pessoas tomam decisões econômicas. É uma nova intervenção para explicar os processos de tomada de decisões econômicas de indivíduos e instituições.

A economia comportamental tenta explicar porque os atores individuais às vezes tomam decisões irracionais usando uma perspectiva psicológica. E também sugere porque e como seu comportamento nem sempre segue as previsões dos modelos econômicos.

De acordo com críticos e opositores do processo racional de tomada de decisões, em um mundo ideal, as pessoas sempre tomam as melhores decisões que lhes proporcionam os maiores benefícios e satisfação. Porém, a realidade é que não estamos vivendo em um mundo ideal; no mundo real, as emoções e fatores externos movem as pessoas com mais frequência.

Assim, os resultados desses estudos mostram consistentemente que as pessoas nem sempre se comportam de forma racional. Ainda assim, suas decisões podem muitas vezes ser explicadas por outros fatores, tais como normas sociais, emoções e atalhos mentais.

O ganhador do Prêmio Nobel, Herbert Simon, rejeitou o conceito de racionalidade perfeita na economia convencional e introduziu a teoria da racionalidade limitada.

O que é a estratégia de trading das Bandas de Bollinger?

De acordo com o modelo de racionalidade limitada da tomada de decisões, as pessoas nem sempre podem obter as informações completas necessárias para tomar uma decisão. Elas não conduzem uma análise completa de custo-benefício ao escolher a melhor solução, mas escolhem aquela que atende a seus critérios de adequação pessoal. Um exemplo de racionalidade limitada seria um comerciante que tomou a decisão arriscada de vender suas ações devido a informações incompletas do mercado e à pressa.

O economista Richard Thaler mostrou outras limitações da ideia de que os seres humanos operam como atores racionais. A suposição de Thaler da contabilidade mental mostra como as pessoas dão mais valor a alguns dólares do que a outros. No entanto, ao mesmo tempo, todos esses dólares têm o mesmo valor. Por exemplo, as pessoas decidem ir a outro shopping para economizar 20 dólares em uma compra de 40 dólares, mas não irão a outra loja para economizar os mesmos 20 dólares em um item de 2.000 dólares.

Vantagens e desvantagens da teoria da escolha racional

Um dos muitos benefícios da teoria da escolha racional é que ela pode ajudar a explicar os comportamentos individuais e coletivos. Todos os ensinamentos relacionados a ela tentam dar sentido às coisas que vemos no mundo cotidiano. A teoria da escolha racional explica por que as pessoas, grupos e a sociedade fazem certas escolhas com base em custos e recompensas especiais.

Além disso, esta teoria pode ajudar a explicar comportamentos que parecem irracionais. Como a ideia central da teoria da escolha racional é que todo comportamento é racional, qualquer ação pode ser pesquisada por suas motivações racionais subjacentes.

Assim, as principais vantagens da teoria da escolha racional são:

5 razões pelas quais o backtesting não combina com você
  • O processo de tomada de decisão racional favorece a explicação de comportamentos individuais e coletivos.
  • Ela tenta dar sentido às coisas que observamos no mundo.
  • O significado da abordagem racional explica comportamentos que parecem ou soam irracionais.

As desvantagens da teoria incluem:

  • Os indivíduos nem sempre são capazes de tomar decisões racionais.
  • Na realidade, as pessoas são frequentemente movidas por fatores externos que não são racionais, como as emoções.
  • Os indivíduos não podem ter acesso completo às informações que precisariam para tomar as decisões mais racionais todas as vezes.
  • As pessoas valorizam algumas quantidades mais do que outras.

Exemplos de teoria da escolha racional

De acordo com o modelo racional de tomada de decisões, as pessoas tomam decisões tentando maximizar seus benefícios enquanto minimizam seus custos. Portanto, os investidores racionais comprarão rapidamente as ações com preços muito baixos e venderão as ações com preços muito altos.

Um exemplo de um consumidor racional também seria uma pessoa escolhendo entre dois carros. O carro B é mais barato que o carro A, e é por isso que o consumidor compra a opção B.

O que é a teoria da escolha racional?

Estratégia de negociação de NFTs fácil para iniciantes

O aspecto principal da teoria da escolha racional é que as pessoas não selecionam os produtos aleatoriamente fora da prateleira. Em vez disso, elas tomam uma decisão baseada em análise. Portanto, primeiro, elas utilizam um processo de tomada de decisão lógico que considera os custos e benefícios de várias opções, comparando-os uns com os outros. Em seguida, escolhem a opção que proporciona o maior benefício ou o menor custo.

Em outras palavras, a teoria da escolha racional afirma que as pessoas são seres racionais que tomam decisões lógicas baseadas em seus próprios interesses. A teoria tem suas raízes na microeconomia, mas também tem sido aplicada a outros campos, tais como a criminologia e a ciência política. Ela tem sido usada para explicar tudo, desde o comportamento de voto até por que as pessoas cometem crimes.

Quem fundou a teoria da escolha racional?

Adam Smith, um economista escocês, é creditado por ser o pai da teoria da escolha racional. Em seu livro de 1776, “An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations”, Smith apresentou sua ideia da mão invisível.

A mão invisível é o conceito de que as pessoas que perseguem seus interesses próprios beneficiam, em última instância, a sociedade. Isto porque estão constantemente tomando decisões que ajudam a otimizar os recursos e a produção.

Por exemplo, um empresário pode decidir abrir uma nova loja para ganhar mais. No entanto, isso também criará empregos e contribuirá para a economia.

Quais são os principais objetivos da teoria da escolha racional?

Scalping: estratégia de day trading para iniciantes

O principal objetivo da teoria da escolha racional é compreender melhor o comportamento humano. Compreender como as pessoas tomam decisões pode facilitar a previsão do que farão em determinadas situações.

Ela explica porque indivíduos e grupos maiores fazem certas escolhas com base em custos e recompensas específicas. De acordo com a teoria, os indivíduos usam seus próprios interesses para fazer escolhas que lhes proporcionarão o benefício final. Então, eles comparam e pesam as opções e escolhem aquela que acham que os servirá melhor.

O que é a teoria da escolha racional nas relações internacionais?

Governos, estados, organizações não-governamentais e corporações multinacionais, todos existem com os seres humanos. Para entender as ações dessas organizações, teremos que entender as ações e os pensamentos dos seres humanos que as dirigem.

A teoria da escolha racional pode ser aplicada a este campo para entender melhor porque os estados tomam suas próprias decisões. Além disso, esta teoria ajuda a explicar como os líderes e outras pessoas importantes nestas organizações tomam decisões. A teoria da escolha racional também pode prever as ações futuras destes atores.

Quais são os pontos fortes da teoria da escolha racional?

Entre os muitos pontos fortes desta teoria, um deles é a versatilidade de sua aplicação. Ela pode ser aplicada a muitas disciplinas diferentes para explicar melhor o comportamento humano.

Estratégias de gerenciamento de risco para day trading

Outro ponto forte é que ela considera que as pessoas são seres racionais que tomam decisões baseadas em seus próprios interesses. Esta é uma parte fundamental para entender porque as pessoas fazem o que fazem.

A teoria da escolha racional também encoraja os indivíduos a tomar decisões econômicas sólidas. E ao tomá-las, eles podem adquirir mais ferramentas que os permitirão maximizar suas preferências no futuro.

Conclusão 

A teoria da escolha racional é uma ferramenta poderosa que pode ser usada para explicar o comportamento humano. Ela tem muitos pontos fortes, incluindo sua capacidade de considerar que as pessoas são seres racionais que tomam decisões baseadas no interesse próprio.

Além disso, a teoria incentiva os indivíduos a tomarem decisões econômicas sólidas. As pessoas podem melhorar suas vidas e o mundo ao seu redor, compreendendo e aplicando isso.

Curtir
Compartilhar
Copiar link
Link copiado
Go
Clique em Girar e deixe a roda escolher seu artigo do dia!
ARTIGOS RELACIONADOS
5 min
Melhores estratégias de negociação para o mercado indiano
4 min
Compre o boato, venda as notícias — o guia do trader de alto nível
5 min
O que é uma estratégia?
5 min
A estratégia de trading Bollinger Breakdown
3 min
Negociação de Momentum: explicação e estratégias para iniciantes
5 min
Scalping para iniciantes: definição e dicas

Abrir esta página em outro app?

Cancelar Abrir